quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Sim, há comunicação

Não me digam que as coisas não têm um sentido, que não há qualquer tipo de amparo. Mesmo se me disserem que "é tudo uma questão de leitura", como diz o meu pai (e que acabou por se transformar no maior lema da minha vida), quem é que predispõe os nossos olhos para o que precisamos de ler?

Estou há dois dias a chorar. Quando estabilizar, explico o porquê - caso alguém ainda se interesse e passe por cá :) -, tem sido muito difícil lidar com as emoções desde segunda feira. E eis que na minha playlist da semana do spotify surge uma das músicas preferidas da minha mãe, que ela cantava em nananan por não saber inglês.

De milhares de canções que me podiam aparecer, no meio da hispterada que costuma ser a minha lista.



Não me digam que estou sozinha.

9 comentários:

gabzia disse...

Não estás.

gralha disse...

Um abraço grande, grande. Seja comunicação ou qualquer outro nome que queiras dar-lhe, que seja catalisador do que precisas de deitar cá para fora.

Naná disse...

Tudo na vida tem um sentido, Mel! Tudo!!!

Amigo Imaginário disse...

Queria tanto acreditar nisso, Mel!

Beijinho grande, de mãe, na testa. Com direito a festinha na cara.

Mary QA disse...

Claro que há, eu sinto e sei que há.
Perdi a minha mãe só há 8 meses e sinto a presença dela, e a mão dela em tanta coisa... em decisões que não consigo tomar e de repente a resposta está ali à minha frente, em coisas que a minha filha me diz, em músicas que passam na rádio quando me sinto de determinada maneira. E sinto uma segurança enorme por senti-la comigo, porque sei de verdade que ela me protege e aos meus filhos.

É que não estamos sozinhas, mesmo.

Rita Camões disse...

Um beijo.

Livia disse...

Nessas horas é bom lembrar de Hermógenes, o mestre de yoga: "Entrego, confio, aceito e agradeço." Um beijo também

Ginguba disse...

Melissa, como estás?

Beijo

Melissinha disse...

Melhor, Ginguba. :)