quarta-feira, 8 de abril de 2015

Para uso pessoal



"... I thought it was an exaggeration, this thing about parents being overly involved with their kids. I mean, my mum and dad loved me, they were, like, interested in me when I was growing up in the nineties, but they weren't, like, obsessed with me."

Liane Moriarty, Big Little Lies.

6 comentários:

Julia disse...

Talvez, talvez. Sinto isso como uma nova moda de "a maternidade não é só flores". Acho que na imensa gigantesca maioria dos casos é mais dor de cotovelo de quem não tem tempo (porque não pode, ou não quer) para os filhos e em muito poucos casos refere-se a problemas de verdade, do tipo prejudicial.

Melissinha disse...

Eu acho que não é prejudicial estar lá o tempo todo, mas também não é necessário. É disso que tenho de me lembrar de vez em quando. Fui criada no meio da primarada, de crianças, assim como todo mundo que eu conheço, e correu (mais ou menos) bem.

Não me lembro da necessidade de arranjar atividades em família cada vez mais criativas, cada vez mais desafiadoras. De repararem em tudo que eu sentia ou dizia. Acho que, de um modo geral, eles eram mais tranquilos.

Eles criam-se. :)

manue disse...

é isso mesmo. Os meus pais criaram-me, mas não estavam preocupados em entreter-me, divertir-me, eu é que tinha de ir atrás deles nas suas actividades...vocês também devia ser assim, certo?

Agora é o contrario, eu é que ando atrás das actividades dele!

Melissinha disse...

manue, se os meus pais tivessem andado em cima de mim como andamos em cima do nosso, eu provavelmente teria achado uma seca.

Melissinha disse...

manue, se os meus pais tivessem andado em cima de mim como andamos em cima do nosso, eu provavelmente teria achado uma seca.

Julia disse...

A diferença está na primarada...eles não têm mais esse convívio social livre que tivemos, infelizmente. Também acham ruim ficar muito sozinhos. Acho que a gente se sentia mais "invadido" pelos pais porque, como o convívio era mais esparso, eles também se sentiam na obrigação de ficar corrigindo tudo nessas horas e nós, crianças, imaginávamos que ficar o tempo todo junto seria sempre isso. Triste é ver pais que, hoje, ficam em cima E corrigindo o tempo todo.