segunda-feira, 3 de março de 2014

Alteradores

Volta e meia aparece um livro, um filme, uma obra de arte qualquer na minha vida que me faz dar um passo para a frente*. E queria pôr aqui a última coisa que me comoveu a sério, esta peça. Um texto enorme dito por dois atores durante o funeral de uma mulher que viveu várias vidas, ou várias vezes a mesma vida, que se revelam - as vezes, as vidas - em camadas cada vez mais profundas, há sempre uma bonequinha mais pequena dentro da anterior. Não vale a pena falar muito mais, porque foi uma experiência muito pessoal e sou péssima a escrever sobre estes alteradores (passo a vida a tentar).

Para quem gosta de teatro, caso haja repetições, fica a recomendação.

*Tinha posto "nas nossas vidas" em vez de na minha porque podia ser uma experiência coletiva, mas obviamente que respeito os caminhos das outras pessoas. Os alteradores não precisam de ser artísticos. Há quem não volte o mesmo de um pôr do sol, de uma gargalhada de alguém, de uma lição de vida. O importante é que existam alteradores. O importante é podermos sair da zona de conforto mental e emocional de vez em quando. Sermos desafiados a pensar de outra maneira e voltar mais felizes ao nosso estado "normal", com a nova experiência assimilada. 

3 comentários:

dona da mota disse...

Minha querida, já li isto na 2.ª feira. Gostei, identifiquei e associei o conceito às situações. Depois de te ler vimos, à noite, o filme (que inacreditavelmente ainda não tinha visto) Lost in Translation e lá estava novamente o conceito. Muito engraçado. Obrigada! :)

dona da mota disse...

Minha querida, já li isto na 2.ª feira. Gostei, identifiquei e associei o conceito às situações. Depois de te ler vimos, à noite, o filme (que inacreditavelmente ainda não tinha visto) Lost in Translation e lá estava novamente o conceito. Muito engraçado. Obrigada! :)

Melissinha disse...

;)