segunda-feira, 8 de março de 2010

Daquelas coisas engraçadas

De uns meses para cá, tenho vindo a achar piada a algo que nunca, nem nos meus sonhos (ou pesadelos) mais alucinados acharia há uns anos: famílias grandes, aí de três filhos, gente barulhenta a almoçar em restaurantes baratos, a distribuir carolos e gargalhadas, a contar o dinheirinho muito bem contado, com o sentido de individualidade reduzido a pó e uma alegria desmedida por se ser clã.

É daquelas coisas engraçadas.

(Mas mesmo na ocorrência do milagre de ter condições financeiras/conseguir convencer o Hugo, nunca, atenção, NUNCA faria parte da detestável Associação de Famílias Numerosas, que considero isso mesmo que disse, detestável.)

21 comentários:

Ana C. disse...

Entendo-te bem demais. Sábado quando fui ver o filme da Meryl e a via com os 3 filhos em redor da mesa em amena cavaqueira, cada qual com os seus dramas e coisas para contar, fiquei a pensar que gostava daquilo. Depois dei por mim a dar chapadas psicológicas a mim mesma: "Mas tu tás parva Anacê????"

Marina disse...

Detestável porquê? É nosso objectivo fazer parte, com 3 ou 4 filhotes! :)

macaco do 1ºD disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Melissinha disse...

Acho-os inquisidores, Marina. Sempre prontos a apontar um dedo.

Há uns anos, lembro-me de terem caído forte e feio em cima de uns hotéis que não recomendavam a estada de crianças. Caramba, os solteiros, e mesmo os pais de quando em quando, têm direito a férias sem barulho e macacadas. Há tantos hotéis excelentes para famílias, porque não podia haver um para gente sem filhos e precisa de silêncio?

É isso e uma birra natural muito menos justificável.
(Atenção, não estou a falar de famílias numerosas, só da associação.)

Ana C. disse...

Melissa pois essa cena dos hoteis lixou-me, achei nazi. Devia dizer-se proibida a entrada de putos mal educados. É que há crianças perfeitamente suportaveis em público e os pais delas podem gostar dos hoteis em questão.

Miguel disse...

Olha pois! Eu concordo que haja hoteis que se reservem o direito de não aceitar crianças. Nada contra. Anacê, não te esqueças que o conceito de "suportáveis" é muuuuito relativo!

Melissinha disse...

Anacê, pois eu não achei nazismo nenhum, muito pelo contrário.
Acho nazi obrigar a cada minihotel e pessoa deste mundo a ouvir o doidas doidas andam as galinhas quando não lhes apetece mesmo nada.

Os hotéis eram mesmo hotéis para adultos relaxarem em paz, sem qualquer actividade para crianças. E não era proibido, era desaconselhado, porque proibir é proibido (Infelizmente, na minha opinião. Canso-me de perguntar, quando quero descansar os fins-de-semana, se o hotel tem muitas famílias com crianças marcadas. Já tive demasiadas estadas curtas estragadas por conta disso.)

Para terminar, criança em hotel não tem de fazer silêncio para não incomodar os emperdenidos da espreguiçadeira ao lado. Criança em hotel está lá para curtir a novidade também, saltar com barulho na piscina, ver coisas novas, cantar alto, falar alto. Acho triste exigir-se que uma criança se comporte sempre bem para não incomodar os adultos. E há MILHÕES de lugares apropriados e com condições para isso, para quê o escândalo quando o mini bed and breakfast nos confins da costa alentejana não os aconselha?

Enfim, não foi depois de mãe que mudei de ideias, aliás, acho que muito pelo contrário.

Ana C. disse...

Meninos se tenho esta opinião é porque eu já fui alvo de descriminação nazi e não foi num mini hotel da costa alentejana (aqui é claro que é diferente). Foi num mega Club Med do Algarve que não era children friendly (e agora é) e não publicitava isso, fazendo-o através dos preços que praticava e tentando dissuadir-nos de levar a Alice bebé quando marcámos.
Odiei a sensação de nazismo velado.
Tirando isto acho que há certas crianças (ou certos pais que não ligam um cú) que só deviam entrar de trela e açaime e não só nos hoteis...
Em tudo o resto viva o bom senso dos pais que sabem os filhos que têm e dos hoteis.

Precis Almana disse...

Gostei da conversa :-)
Quanto ao post, que me esqueci entretanto... Ah, sobre as famílias! Não sei que opinião tenho... Acho que se tivesse filhos queria pelo menos dois.

Pekala disse...

Por essas e por outras é que passo férias no parque de campismo,eu adoro,o puto adora,há barulho à fartazana e sossego durante a noite,espaço e ar livre e descontracção e ainda por cima é bem MAIS barato.E tbm acho bem que haja hotéis só pra adultos,nem todos têem que gostar de levar com criancinhas aos berros,afinal isto é ou não é uma democracia?há espaço pra tudo!
(ó pra mim a concordar com tudo feita tolinha:D)

Melissinha disse...

A minha experiência em parques de campismo são, digamos, enfim, se calhar é melhor mudar de assunto, hehe.
Não é bonito ver a Melissa dentro duma tenda.
Este ano, vacas magérrimas, vamos para a casa da Costa da vodrasta do Gabriel. Fica ela com o bebé toda contente e nós de papo para o ar.

Pekala disse...

Mel tbm há roulottes e bungalows:)

Pekala disse...

PERAÍ!!!!Vaca magérrima????eu??????
WOW!OBRIGADA:D

(quase me esqueço que visto o 40/42 de calças e tenho um pneu recorrente)
AHAHAHAHAHAHAAH!!!!

Melissinha disse...

Os tempos! Os tempos é que são de vacas magérrimas.
Estou sempre a chamar vacas gordas e vacas magras às pessoas quando quero me referir ao tempo.

Pekala disse...

oh:(

Melissinha disse...

Hahah tá bem, vá, sua vaca magérrima.

Pekala disse...

:))))))

Supertatas disse...

mas repara, terias desconto no intermarché

Pekala disse...

olha bem podíamos fazer mais 3 ou 4 putos pra aproveitar!!!adoro descontos!

Melissinha disse...

Gosto de descontos-surpresa, assim descarados não têm piada.

No dia em que os Detestáveis conseguirem um caixa de supermercado só para eles - e não duvido que estejam a tentar - entro em modo POVOAR

RiTa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.