terça-feira, 3 de dezembro de 2013

A rapariga de quem nenhuma daquelas pessoas se lembrará daqui a dois dias

Chegar à porta da escola do filho mais cedo  porque hoje era um dia especial, e dar com a porta da escola cheia de ambulâncias, polícias, bombeiros. O coração pára. Mas olho para o fundo e vejo que a comoção é na linha. Uma rapariga tinha-se atirado para a frente do comboio.

"Está sempre a acontecer aqui", diz a auxiliar da sala do meu filho. "Nós dizemos-lhes que o comboio se avariou na roda. O barulho é inconfundível. Sabemos na hora o que aconteceu."

A rapariga a quem a vida correu mesmo muito mal é uma avaria no comboio. Quem seria? Todos na estação falam dela. Uma senhora com um lenço na cabeça, aquele lenço que tem "quimioterapia" estampado em toda a extensão, olha, atónita, para a linha do comboio. Lia-se no olhar dela: olha que esta realmente. Outra mulher diz: amo a minha vida, amo a minha vida. Um saco na beira dos carris. Uma criança pergunta à mãe o que é aquilo. Um cão, diz a mãe rapidamente. O comboio apanhou o cão, coitadinho.

8 comentários:

dona da mota disse...

Ai que nó, Melissa... que nó...
e que dó...
Esta semana também ando aqui com uma história destas, das que magoam, que moem, a vida é um suspiro e já foi e mesmo assim há quem a julgue longa e pesada... quem a perca por um acto estúpido... ai que nó que me forma no peito...

Ginguba disse...

Eu lembro-me sempre daquele rapaz que se atirou de um quinto piso e que lá esteve dentro de um saco não sei quanto tempo... Não há como esquecer!

Ana C. disse...

Que texto tão bom, Melissão...

gralha disse...

Que coisa dura, Melissa, que coisa...
E vocês hoje combinaram todos (olha o Miguel, voltou!) escrever murros no estômago?

Naná disse...

Se há coisa que ainda hoje continuo a não conseguir propriamente enquadrar na minha racionalidade lógica é o suicídio... seja ele praticado de que forma (violenta) for!...

Amigo Imaginário disse...

Tão triste, Mel...

disse...

Soube pela minha filha, amigos de amigos, que o fim do relacionamento com o namorado fez com que esta jovem menina se atirasse...
O suicídio na adolescência.
Uma jovem com a idade do meu filho: 16 anos. É arrepiante!

Melissinha disse...

Ó Té, que horror :/ Não veio nada nos jornais sobre isso. Que horror.
Fico sem palavras.

Pobres pais.