domingo, 17 de maio de 2009

Note to self (ou mais uma epifania)

Neste momento, a coisa que MAIS SOU é mãe do Gabriel. É o que mais me define. Não vale a pena esconder-me atrás dum computador ou passar horas a pensar noutra coisa qualquer. Tive um filho e é isto que domina a minha vida agora. Digo isso sem qualquer melosidade materna, muito pelo contrário: digo-o a mim mesma firmemente.

Continuo a ser muitas outras coisas, é claro, e a seu tempo todas elas voltarão a brilhar.

8 comentários:

Patlizia disse...

Traspiras beleza e vida em esta foto, linda!

Mafalda disse...

Como te compreendo. Eu sinto o mesmo e como estou desempregada, acho que 'mãe' é mesmo o papel que mais me define no momento, apesar de já estar a começar a ter vontade de fazer muitas outras coisas, de estar ocupada com algo que não seja apenas fraldas, sopas, biberões e afins, mas a seu tempo tudo voltará outra vez até mim. Acredito que sim. (senão dou em doida!!) ahahahahaha
;)

Márcia disse...

Quando o Eduardo tinha a idade do teu Gabi, eu também sentia o mesmo e houve muitos momentos em que me era inimaginável fazer outras coisas e depois com o tempo tudo se reajustou novamente…

Curte e aproveita muito o teu bebé pequenino!!!

Beijos grandes,
Márcia

Melissinha disse...

Pois, Márcia, é isso mesmo. Curtir e aproveitar o pequenino.

Acho que tenho uma tendência para fugir de coisas avassaladoras que acontecem na minha vida. Foi o mesmo com a morte da minha mãe, não me permiti sofrer muito, nem chorar muito, nem pensar muito. Morava sozinha com ela desde sempre e a grandiosidade de perder a minha outra metade era tão assustadora que simplesmente ignorei, com consequências nefastas para a minha saúde.

O mesmo se passa agora com o meu pequeno filho. Não posso achar que tenho a mesma disponibilidade e a mesma estrutura, não posso esperar de mim as mesmas reacções de antes porque, na verdade, tudo mudou. Tudo mudou radicalmente e isso nem sempre é mau, neste caso é bem bom, até.

Bailarina disse...

AMEI!beijo

Marina disse...

A seu tempo a maternidade será uma parte da tua vida, mas agora é a tua vida. Comigo também foi assim... Essa foto está linda, ele é muito parecido contigo! Bjs

Ana C. disse...

Nunca tinha pensado nisto. Ainda dizes tu que eu é que defino bem os meus sentimentos. Olha que bem definidinho.
Muitas vezes temos que ceder lugar sim. Não cabem tantas emoções e papéis em simultâneo de uma vez.

Gaivota disse...

Chegaste a uma das mais duras lições da maternidade muito cedo. Há pessoas que se debatem durante muito mais tempo com isso. Boa!