terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Das pessoas e os seus baldes de caca

Estou sempre a dizer que que só confiava nas pessoas em que/quando via o seu dark side - nem que seja o dark side mais patético do planeta -, porque acho que é no dark side que se define a humanidade de uma pessoa, é lá que a encontramos verdadeiramente.

Mas não é bem assim, afinal tenho exceções.

Conheço duas pessoas, um homem e uma mulher, que não têm dark side. Conheço-os há muitos anos, de perto e de longe, e digo aqui, de peito aberto: aqueles dois (que não se conhecem) não têm sentimentos feios na alma. A humanidade deles é diferente, é pura generosidade e empatia. Não são auto-referentes, não conhecem a inveja (vá, talvez a branca), vibram genuinamente com as vitórias de quem gostam, têm o peito limpo. Podem não ser as pessoas mais engraçadas, divertidas e coloridas deste universo, mas não é disto que estou a falar.

E sobre a confiança... Fora da minha família-núcleo, seriam estas as pessoas às quais entregaria os meus sonhos e medos numa bandeja, sem qualquer tipo de reserva, independentemente do nosso grau de amizade.

5 comentários:

Ana. disse...

Ai que querida, a falar de mim!!
;)

Dedinho disse...

Vá ao blogue da Dedinho e participe no passatempo. O prémio é bem mais revigorante do que um balde de caca.
Se não for, encherei este blogue de mau karma para todo o seu sempre e mais além.
Fui.

Melissinha disse...

que amores.

Ana C. disse...

São as chamadas pessoas sem maldade.

Melissinha disse...

pois, só que, para mim, é como dizer "pessoas de asas", porque não acredito nisso :) Pero que las hay, las hay.