quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Desabafinho tosco dentro das minhas possibilidades

Trabalho que me farto, foi para isso que estudei. Como já disse várias vezes, nesta casa somos uns passeadores natos e adoramos o gratuito, mas, além o gratuito, gosto muitíssimo de dar uso ao fruto do meu trabalho. Adoro mimar-me com autoprendas, adoro mimar o meu marido, adoro mimar o meu filho com coisas materiais também. Adoro comprar coisas para o meu irmão. Adoro, ADORO jantar fora e ir ao teatro e outras coisas, e faço-o muitas, muitas vezes enquanto posso. Adoro pagar uma empregada para me limpar a casa. Adoro ajudar amigos que precisem de mim.

Não consigo entender o que há de errado em tratar-se bem com o fruto do  trabalho, propagando assim o fruto do nosso trabalho por outras economias. É certo, é merecido. Todo mundo devia fazê-lo sem pudor. Todo mundo merecia fazê-lo sem pudor, mas não dá, porque, imaginando (e já é difícil!) que o pobre trabalhador até ganhe mais do que o suficiente para as contas, a história do "viver acima das possibilidades" se entranhou de tal modo em todo mundo que andamos sempre a justificar o que gastamos e o que deixamos de gastar, como se ALGUÉM TIVESSE ALGUMA COISA A VER COM ISSO.

Conheço muito pouca gente a viver acima das suas possibilidades, e mesmo assim sei lá se vivem - é que isso das possibilidades de cada um devia ser da esfera íntima, sabem? Cada família sabe do seu orçamento. E sei lá, sempre fui meio burrinha em certas coisas, mas será mesmo que foram as férias na neve a afundar este país? Custa-me TANTO a crer, senhores. Mais fácil seria se acreditasse nisso, porque aí a crise estava mesmo aqui ao lado, no irmão de classe média. Muito mais fácil culpá-lo a ele do que o impalpável e praticamente  incompreensível mundo dos juros estratosféricos de dívidas contraídas sabe lá Deus como, de agências de rating, do diabo.

Mas a menina que foi ao Rock in Rio e o cigano que recebe o RSI são inimigos tão mais simples e acessíveis. Mal temos de pensar. Claramente vivem acima das suas possibilidades. São eles os culpados deste buraco em que nos metemos. Porque viveram anos acima das suas possibilidades.

4 comentários:

Carla Barroso disse...

A-DO-REI. OVAÇÃO DE PÉ.

Ana C. disse...

És claramente uma vivedora acima das tuas possibilidades. Digo eu, que tudo sei.
Desconfio que, com a maior parte dos ordenados neste país, uma simples bica com pastel de nata, é viver acima das possibilidades.
Bom texto-lavador-de-alma.

Naná disse...

Caramba é mesmo isto!

Julieta disse...

É exactamente isto. E a necessidade que toda a gente tem agora de justificar a toda a hora o dinheiro que gasta e as coisas que tem? Tira-me do sério.