quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Carta aberta a maridos e companheiros ausentes

Muito tenho lido em babyblogs sobre a ausência de participação dos pais na criação dos pequenos, tanto em forma de queixa como da forma mais natural possível, como se não fosse mal nenhum o trabalho cair todo sobre o lombo da burra da mãe (e são esses os relatos que mais me doem, de certa forma.)

Expliquem-me lá isso, homens dessa espécie em questão, porque, ao tentar compreender, falho: vocês acham MESMO que as mulheres nascem com um mecanismo qualquer que as liga à cria por obrigação enquanto vocês vão à caça? Isso até poderia ser - MUITO DISCUTIVELMENTE, mas enfim - válido para o período em que vocês iam MESMO à caça. SOZINHOS.
Outra coisinha: não vos incomoda nem um pouco o facto de o vosso filho poder vir a confiar mais na mãe do que em vocês? Ora que isso cá me partiria o coração e disparava-me a ciumeira. E não, não é coisa de mulher: partiria o coração ao Hugo também, e, graças a Deus, de cada vez mais homens que vou conhecendo.

E a maior dúvida de todas na minha cabeça, a maior de todas: vocês querem uma mulher esgotada, gasta e ausente dentro de casa? É o que o cansaço faz às pessoas depois de algum tempo. O cansaço gasta-nos. Envelhece-nos. A mulher linda e cheia de planos com quem casaram vai ganhar uma expressão pesada e sonolenta, e a excitação dos primeiros tempos vai dar lugar à mágoa e ao desengano. E o pior de tudo, isso pode-se prolongar por anos a fio, numa cristalização de tristeza como estado normal.

O mais certo é elas nunca dizerem nada.

Rapazes, tirem 50% da carga de trabalho das vossas meninas ainda hoje. Assumam os pequenos ao chegar a casa e digam às amadas que banhoca, caminha e jantar é convosco. Tragam revistas e produtos de banho especiais. Nada é tão caro a uma jovem mãe quanto tempo para ela. E excedam-se: se tiverem um bebé, deixem-na dormir uma noite completa e dêem vocês o biberão da madrugada. Arranjem uma babysitter e levem-na a um passeio do interesse DELA (a vossa mulher, não a babysitter).

Vai ser bom para os dois, isso eu garanto: vocês sentir-se-ão mais envolvidos no que há de mais precioso nesta vida - a família que escolheram ter - e elas sentir-se-ão mais do que "tratadoras".
Perfeito, não?
Mãos à obra.

8 comentários:

Humildevaidade disse...

Para variar entraste na minha cabeça mais uma vez. Não podia concordar mais!... Que o texto seja lido por muitos homens pseudo-caçadores-recolectores e tudo mais...que no supermercado nem sabem qual o corredor das fraldas !?

*

Bailarina disse...

tenho pensado tanto nisso! o que eles perdem, burros que nem portas, perdem os filhos, mas perdem muito mais eles, e nem sabem quanto! quando o telmo ficou a tarde toda com o Raúl para eu ir para a massagem, percebi que com outros homens e em outros tempos tal não seria posssivel! mas eu chegar fresca que nem uma alface, bem disposta e cheia de energia deve ter deixado a familia toda feliz e não só eu! certo? beijo grande minha querida

Melissinha disse...

Quem dera que fosse só noutros tempos, Bailarina.
O pior é que há muitas mulheres que concordam que são assim mesmo as coisas, é a lei da vida. Acho que equivale a achar os nossos homens uns incompetentes.
O tempo que passas na massagem ganhas tu, que repões energia, ganha o Telmo, que descobre o filho, e o Raul, que cria laços com o pai. Todos ganham, é claro.

Pekala disse...

(palmas clap clap clap)
p.s.pena o gajo lá de casa não ler blogs...tbm não ia resultar,ando há 3 anos a dizer a mesma coisa e nada.Cá pra mim é problema de audição...

Melissinha disse...

é esperteza, Pekala! ;)

Ana C. disse...

Pena a maioria dos leitores de blogs serem gajas/ mães /mulheres...
O Huigo leva-te sais de banho e manda-te relaxar?

Melissinha disse...

O meu é sueco, né? Já sabes. Tem o seu lado mau também.
Sais não traz, mas ontem trouxe blocos azuis para o wc...

We Are Not Typical - WANT disse...

lol!!!! excelente reflexão e excelente texto. Concordo que o pior mesmo é haver mulheres que pensem que serem burras de carga é a órdem natural das coisas e ainda olharem de lado para as amigas e familiares que "mandam" os pais dos seus filhos fazer coisas em casa. Pois é, a palmatória vem muitas vezes de outras mulheres.
Espero que consigamos educar os nossos filhos homens para serem mais cooperantes .... afinal, alguém criou os meninos cegos e surdos que por aí andam.