quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Curtíssima sobre textos apócrifos

Prefiro baratas. Prefiro baratas dentro de casa a textos apócrifos.
Sapos, não, mas baratas... Com toda a certeza.


Porque diabo as pessoas precisam de um nome famoso por baixo de poemas/citações/frases da treta que curtem? Qual é the fucking diferença? A frase fica menos pirosa com autor, é isso?

Depois de eu morrer deixando vasta obra para trás, é favor googlar o que eu disse e o que não disse antes de fazerem postalinhos, tá bem? Confirmem com o Hugo, ele há-de saber (e vai morrer depois de mim, com toda a certeza: a família dele chega sempre aos 100 anos).

*A propósito, o tal do "já cometi erros imperdoáveis" é de um senhor chamado Augusto Branco. Tá no Google.

7 comentários:

triss disse...

Não sabes o que dizes rapariga :-P
Mil vezes textos apócrifos.

gralha disse...

Exacto. Aliás, um dos privilégios do anonimato, da inexistência pública, é as nossas frases nunca aparecerem entre aspas e com o nome por baixo, para qualquer um usar a seu bel-prazer. É como se nos usassem os ossos para fazer bugigangas depois de morrermos.

Melissinha disse...

"É como se nos usassem os ossos para fazer bugigangas depois de morrermos".

William Shakespeare.

Augusto Branco disse...

;D
Mistérios misteriosos da internet, Melissinha. rs

Também eu gostaria de entender os motivos disto - talvez devamos consultar os analistas e psicólogos.

No mais, deixo um grande abraço para si e obrigado por este teu jeito engraçado de dar informação. ;D

Sucesso e felicidade sempre pra você!

Melissinha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Melissinha disse...

Minha nossa, Sr. Augusto! Estou starstruck.

Sempre que vir o seu texto atribuído a Charles Chaplin, escreverei um post sobre o assunto. O melhor talvez seja abrir um blog novo.

Augusto Branco disse...

Starstruck é boa!rs
- E agradeço imenso tua gentileza, mas esteja tranquila, anjinho: deixe isto com a editora. ;D Quando eu era um simples blogueiro era mais difícil divulgar este tipo de informação, mas agora tem três livros publicados fica mais fácil me encontrarem na net, como você me encontrou. ;D Agora, quanto a outros autores que continuam no anonimato, bastaria as pessoas terem um pouquinho de 'desconfiômetro' (afinal, há textos ultra-contemporâneos que jamais seriam escritos por Shakespeare, por exemplo), pesquisar um pouco e encontrar o verdadeiro autor. De todo modo, agradeço mais uma vez e, qualquer coisa, pode mandar e-mail pra mim, numa nice: ola@augustobranco.com

Beijo!!