quinta-feira, 7 de março de 2013

Frases encontradas no Facebook que curto

Já agradeci ao meu past self por muitas decisões que, na altura, pareciam cagadas monumentais. Por isso, nunca se sabe.

4 comentários:

ouvirdizer disse...

E com esta frase levei um chapadão nestas fuças, que bem merecia. Obrigada!

ouvirdizer disse...

Não ia dizer mais nada, mas sou pessoa que não se cala. Aliás, e agora vou começar a chorar, só me calo quando devia MESMO, MAS MESMO FALAR!
Sou daquelas pessoas que ouvem, processam, ficam a tremer - e o que eu tremi hoje - mas tremer de nervos, têm uma resposta para dar, depois reformulam, voltam a pensar, dão-lhe um toque e chega-se à fase em que a resposta tem mesmo que sair - e não sai. E o meu self fica estupido como sempre e provavelmente no futuro faço o mesmo. Calo-me. Não reclamo, não defendo, não faço cair no ridiculo quem devia, naquele preciso momento. Calo-me.
Hoje eu podia ter feito/dito algo que me iria limpar a alma e deixar muito aliviada. Não o fiz e não se aguenta este peso...
Parva, é o que sou. Odeio ser assim. Sou das que engole sapos, baixa a cara, enfia o rabo entre as pernas. Uma besta, portanto.
Adoro pessoas que dizem na hora o que lhes vem à cabeça, que não levam desaforos para casa. Adoro essas pessoas (sim, Gralha, tipo tu).

Melissinha disse...

Ninguém tem reações tão retardadas como eu, Vera. Diante do absurdo, perco o pio. Depois vêm as ondas de raiva e passo HORAS a formular grandes respostas que provavelmente nunca darei. Uma caca. Feitio.

Se der tempo, dá a tua resposta ao senhor ou senhora desaforado (a).

Naná disse...

Eu também tenho a agradecer ao meu past self todos os momentos que arrisquei!

Quanto a levar desaforos para casa, só o fiz uma vez e muito mas muito a contra-gosto, porque mo exigiram! Jurei que nunca mais iria calar-me diante de desaforos, como sempre foi meu apanágio!
Não deixo por dizer, ou não fosse a minha mais carinhosa alcunha "furacão"... tenho uma incapacidade inata para disfarçar e por vezes tenho é que refrear a resposta sempre pronta...

Acreditem, é altamente libertador!