quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Tantas mulheres, tantas salas

Hoje o presente veio da minha muito amada Sunny, prima linda, sensível, gentil, talentosa, batalhadora, grande amiga, sim, mas principalmente uma GRANDE sobrinha - e ela sabe porquê (qualquer dia, conto tudo.)

Melissa,há uns dez dias, comentei com o Daniel que lamemtava nao ter fotos da casa da vó Lourdinha e como você passei a tentar descrevê-la para ele.Não parece mas há mais de quinze anos não temos a nossa mansão.Mas é impressionante como ela se mantem totalmente viva na nossa lembrança.Nao sei se você sabe mas depois que a vovó morreu,como forma de manter um pedacinho daquela ilustre e lustrosa sala, ficamos com aquele console de madeira e marmore, conjunto do espelho que até hoje distorce a imagem de quem o mira, transformando todos em fantasmas.
Fantasmas... não sei se você lembra, mas a saleta do telefone da qual a Tainá falou, era habitada por vários,pelo menos no meu imaginário. Era lá que "descansavam em paz" as fotos do meu pai (tio Nandinho),do bisavô Luís e da bisavó com cara de melancolia. Jamais fiquei sozinha na saleta por mais que um segundo, se fitei algum dos retratos foi por total descuido e quando me pediam para ir atender o telefone, à noite, eu ia com o maior de todos os frios na barriga, ouvir "pour elise" da caixinha de música de espera do telefone, como se estivesse prestes a assistir um baile dos mortos.
Momentos "difíceis" também passávamos, ao transitar,após o meio dia, em frente a porta do quarto da vovó. Pois a esta hora, a mais "Gadelha" da dorminhoca família gadelha, tirava a sua longa siesta. E ai de quem batesse na porta ou pisasse forte no chão.
Lembrar de qualquer coisa daquela casa traz a todas nós o choro e alegria dos que sabem amar. Me lembra um pouco Gabriel Garcia Marquez, suas casas, suas famílias seus sentimentos. Você sabe que o meu pai morreu muito cedo, mas eu realmente me senti orfã quando passamos ao não ter mais os natais da nossa singular família, nas salas da casa da Vó Lourdinha.
Te amo, Sunny

4 comentários:

Ana C. disse...

Fantástico. Pena não haver fotografias da sala, já a tenho no meu imaginário...

Melissinha disse...

Não há fotografias porque era mesmo uma sala-museu. :) Já da sala real, há de haver, vou procurar.

Ana. disse...

Que lindo...

Lih Estevam disse...

Gostei, gostei, gostei mesmo daqui!