segunda-feira, 6 de junho de 2011

Divindades são para respeitar

Hoje passei a hora de almoço a arrumar a minha secretária e as minhas gavetas. Faço sempre isso quando vou de férias mas nunca consigo despachar nada para o lixo. Em casa mando tudo fora, no escritório acumulo toda a tralha que me dão. A Melissa tem um bocadinho de razão quando diz que raramente sou linear, mas eu aqui passo o dia sentado de costas para a janela e fico com o meu Feng Shui arruinado, por isso fico mais débil à harmonia.
Comecei a pensar se existe algum prazo aceitável para guardas coisas que não precisamos. No futuro talvez os objectos venham com um chip de autodestruição que os faça evaporar quando deixam de ser tocados. Splof!

O Matias tinha-me dado, há uns anos, uma imagem da Nossa Senhora D’Ajuda. Acho que é a padroeira de Malhada Sorda e foi simpática a oferta. As pessoas que me rodeiam têm o estranho hábito de me oferecerem coisas para dar sorte. Devem ter qualquer sensação quando olham para mim que, sozinho, não chego a lado nenhum. Uma antiga namorada chegou-me mesmo a dizer que lhe despertava o ar maternal. O princípio químico deve ser idêntico.
Mas sempre que quero despachar algumas coisas que não me fazem falta, fico sempre a olhar para a santinha do Matias. Bem, não tenho qualquer relação especial com ele e nem nos falamos desde que se foi embora, além disso nem sequer sou religioso mas caramba, é uma santa e parece mal mandá-la, assim, embora. Sabe-se lá…

9 comentários:

Ginguba disse...

Percebo.Eu tenho um cristo, já sem cabeça, de um tombo que deu, coitado! Não o deito fora. Sabe-se lá...

Melissinha disse...

Traz para cá, uma santa nunca está a mais.

Melissinha disse...

hahaha Um Cristo sem cabeça é assustador, Ginguba.
Como perdeu o teu Cristo a tola?

Ginguba disse...

O Cristo (maiúsculas para divindade, que falha a minha...) ficou com a cabeça em água comigo e perdeu-a :)

Caíu ao limpar o pó e partiu a cabeça. É um Cristo pequenino, em barro. Não é nada assustador. Juro que não consigo deitá-lo fora, não tou a brincar.

Oh pá! Não gozes...

Melissinha disse...

Deve ser tipo os pais natais de chocolate quando trincamos a cabeça!

arleqvino disse...

..por definiçao, se nao for preciso nao guardar..
..em caso de duvida, guardar em casa de alguem de familia que nao arruma a casa..
..no caso de santinhas, consultar deus para confirmar se a dita esta reconhecida oficialmente..

Sofia disse...

LOOOL
Como te compreendo!!
E os brindes dos casamentos?? A vontade que tenho de deitar aquelas tralhas todas fora...
Bjs

Daisy Stewart disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Irina A. disse...

Hugo, por favor, abre o teu blog. Eu preciso mesmo, eu estou com DPP e não há por aqui viva alma que me ajude a combater esta porra, só tu me podes ajudar. Preciso de te ler, preciso de me rir à séria.