sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Ainda sobre o amor

Em conversa com uma amiga, às tantas ela diz que ter alguém não é condição sine qua non à felicidade. Pus-me a pensar, claro. É que se há condição sine qua non para a felicidade em que eu acredite é esta: um parceiro/a. Não o tempo todo, não sempre, pode ser com a intermitência que tiver de ser, com a intensidade dos primeiros dias ou dos últimos anos. Não falo de um amor para toda a vida, que não acredito nisso, nem em amores perfeitos. Falo em ter, ou ir tendo, outra metade para dar gargalhadas, cozinhar jantarinhos, fazer amor, brigar feito cão e gato também. Não estou a falar de um marido. Estou a falar de um parceiro.

Não creio mesmo que filhos sejam essenciais à felicidade. Consigo imaginar mil formas de uma pessoa ser feliz sem filhos, mas nenhuma sem viver paixões. A validação, confirmação, intimidade, segurança e alegria que um amor romântico proporciona é ímpar, única, como uma peça num puzzle, a melhor peça no puzzle a seguir ao amor próprio - e mesmo assim acho que é possível viver grandes amores sem amor próprio.

Com a intermitência que tiver de ser, com as pausas necessárias entre dois parceiros que façam sentido.

Sim, eu sei, "fala por ti" e tal, mas, que querem? É algo em que acredito. Quem acredita em Deus acredita que ele existe para todo mundo, até para quem não acredita nele.

18 comentários:

gralha disse...

Pois é. Mas olha que o amor que se sente pelos filhos é uma coisa muito boa e apaixonada. É melhor do sempre que imaginei. Pode não ser essencial para outros, mas para mim é.

Melissinha disse...

Yup. O que quis dizer foi: entendo quem não queira ter filhos, mas não entendo quem queira - querer, mesmo - ficar sozinha. Agora que conheço o meu bebé, não vivo sem ele, é lógico :)

Supertatas disse...

A única condição sine qua non p ser feliz é gostar muito de ser próprio, tudo o resto são mais valias :)

Melissinha disse...

Mmm eu acho que estar bem consigo próprio é estar feliz. Se estás bem contigo próprio é porque está tudo a correr bem, tens a consciência tranquila, auto-estima no sítio, saúde e várias outras "condições" necessárias a isso. Não acho que seja algo que se puxe do próprio umbigo assim, porque repetimos todos os dias ao espelho ou sei lá. Sim, tem muito de leitura nossa, mas não só. E aí entra a validação de outras pessoas. Ao meu ver, a melhor delas, a que mais encaixa - até porque vem do encantamento, e não de ligações familiares - é a validação de um amor.

Ai, a filosofia.

Supertatas disse...

Eu acho que quem precisa de validação externa nao esta bem consigo

Melissinha disse...

Concordemos em discordar :)

gralha disse...

Mas quando nos apaixonamos não é (só) ela validação externa, pois não Tatas? Também é pela necessidade que temos de nos entregar. Uma pessoa pode viver lindamente fora de uma relação mas acho que, em última análise, uma boa relação traz muito mais coisas boas.

Melissinha disse...

Eu acho é que precisamos de aceitação para ser felizes. Não acho que seja mais valia, acho mesmo fundamental. Amor próprio não chega. Podemos sublimar, como sublimamos tanta coisas para poder seguir em frente - eu sei que EU sublimo muita coisa - mas no fim das contas, não acredito que sejamos bichos para andar sozinhos no mundo, por mais autoconfiança e auto estima que tenhamos. E por "sozinho" quero dizer "sem par", mesmo.

Não quero dizer que quem está só é infeliz. Mas digo que, quando quem está só encontra alguém, pense: "olha só o que andei perdendo o que me tinha esquecido". Acho o estar sozinho circunstancial. Duvido sempre dos "estou melhor assim".

Supertatas disse...

claro que sim, gralha :)
no entanto discordo da melissa qd põe todo o enfase nisso. claro que é maravilhoso ter um parceiro, mas discordo completamente que seja a unica validação válida para uma pessoa, a única coisa que traga felicidade a uma pessoa. e acho que, sim, mtas vezes está-se melhor sozinho do que mal acompanhado, e que uma pessoa que nao goste de si mesma numa será feliz com qualquer parceiro com que se cruze, o que, por outro lado, tb me leva a querer que quem procura desesperadamente um parceiro com o intuito de depositar nele todas as esperanças de ser feliz é uma pessoa que e nao está bem consigo, e que nao considerar um parceiro sine qua non para a felicidade tb não quer dizer, de maneira nenhuma, que se esteja sozinho por opção e que não se queira comprometer ou encontrar uma alma gémea.

Melissinha disse...

Eu não acho que seja a única, acho é que é essencial, como outras coisas também são.

Melissinha disse...

"e que nao considerar um parceiro sine qua non para a felicidade tb não quer dizer, de maneira nenhuma, que se esteja sozinho por opção e que não se queira comprometer ou encontrar uma alma gémea" - também não acho isso.

Melissinha disse...

Hmmm e olhando outra vez, também não falei nada sobre "busca desesperada" "única validação possível" nem nada disso, isso seria outro post. Ou eu ando a escrever mal como o caraças, que não duvido, ou estás a falar de outra coisa. Porque concordo com tudo o que disseste neste comentário.

Ana C. disse...

Não há soluções universais para o amor, mas acho que as coisas correm melhor quando tu estás bem e começas a amar.
Buscar o amor para encontrar equilíbrio, tal como buscar o que quer que seja de exterior, para te equilibrar interiormente, geralmente não resulta a longo prazo :)
Acho que somos seres que buscam um companheiro, sim. E acho também que alguém solitário inventa toda uma sorte de desculpas e teorias para dizer que está muito bem sozinho.
Eu sei do que falo, pois durante muito tempo, construí teorias inabalaveis sobre as vantagens da solidão.
Mas havia noites frias, quentes, viagens, livros, filmes, em que a dor chegava fininha e cortante. A dor de não ter quem amar e quem me amasse ;)

Ana C. disse...

Vermo-nos pelo olhar daquele que nos ama é fundamental à felicidade plena. Não basta vermo-nos ao espelho todos os dias e lançarmos beijos à nossa imagem reflectida. É preciso vermos o nosso reflexo no olhar de alguém que nos ama.
Ai que lindo.

Melissinha disse...

Hahaha levem a insulina a Murches :D

- disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
- disse...

"Eu acho que quem precisa de validação externa nao esta bem consigo"

Tatas, quem é que não precisa de validação externa? Todos nós construímos a nossa auto-estima e a ideia de eu através das relações que estabelecemos com os outros e por consequência, através de validação externa, sim.

Um exemplo, alguém (seja quem for) tece-te uma lista de 10 elogios, mas faz apenas um reparo a qualquer coisa que tenhas feito ou que não gostou em ti. Agora diz lá como te sentes, honestamente? Vais remoer a cena menos boa que te apontaram e nem te lembras das 10 boas. Validação externa, sim.

E sim, também concordo com tudo o resto que disseste e com a Melissinha também. E isto vindo de alguém que não tem parceiro. A vida a dois (assumido que estamos a falar de relações saudáveis) é mais, é melhor, sem dúvida.

arleqvino disse...

..é entusiasmante ver tantas certezas sine qua non que em 2 segundos me fazem lembrar exemplos da realidade que as desmentem :D
*