segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Reflexão que nada tem que ver com o aniversário do meu lindo filho (isso fica para depois)

O mundo frustra-nos, as coisas não correm como deviam correr no conto de fadas onde merecíamos ter nascido, e temos de cagar essa frustração para fora, porque, aí está, é mesmo uma necessidade fisiológica, por algum buraco ela vai ter de sair.

Há que ter uma enorme, enorme atenção para onde direcionamos essa frustração, porque em 99% dos casos apontamo-la para quem não tem puto que ver com a origem da mesma, o que resulta simplesmente num grande despejo de merda sobre quem nada tem que ver com a merda que é o nosso mundo. Temos, portanto, de estar atentos, vigilantes.

E agora, a minha segunda frase preferida do mundo todo:

6 comentários:

gralha disse...

covenantSábia, Melissa. Nada como uma grande quantidade de cocó na nossa vida para nos libertar a eloquência.

gralha disse...

(aquela cena críptica no início do outro comentário foi a verificação dos caracteres que estava marada)

Melissinha disse...

quero ser um blog filosófico! Criemos um covenant.

Melissinha disse...

E nem foi a chuva de merda do meu filho que provocou isto, foi mesmo uma cena concreta de ontem, enfim, gentileza gera gentileza, e merda traz mais merda.

Ana. disse...

É por isso que prefiro espalhar sorrisos, carinho e respeito; quado o fazemos acabamos por receber na mesma medida... a correr bem!
E com a cena concreta devias aprender a responder também à letra ao que te atiram, seja meiguice, seja merda!...

Melissinha disse...

Aí é outra lição entirely :D

(Desta vez não foi comigo, benzadeus).