segunda-feira, 20 de maio de 2013

O meu anjo tradutório

Tenho um anjo da guarda tradutório. Ele aparece sempre nos momentos em que me sinto mais confiante, mais rainha-da-cocada-preta, pecado capital de qualquer tradutor, que tem sempre de manter a pulga atrás da orelha bem acordadinha.

Modus operandi do meu anjo da guarda tradutório: nesses tais momentos de soberba em que a pulga adormece, faço uma cagada absolutamente descomunal, inexplicável produto de uma rainha-da-cocada-preta. O anjo da guarda tradutório faz-me sempre apanhar a tal cagada descomunal antes de a mandar para o cliente, pondo-me de volta no meu lugar de eterna ignorante, fundamental para desempenhar bem as minhas funções.

E acendo-lhe uma vela, claro.

5 comentários:

gralha disse...

Espera, para além do duende? Não te sabia politeísta mas fico mais tranquila por te saber tão protegida e abençoada :)

Naná disse...

Tens a certeza que o gajo dorme?! Se calhar ele está só a fingir que dorme, à espera de poder meter-te no teu lugar... :P

Melissinha disse...

Gralha, eis uma palavra que aprendi com o lindíssimo, se-gostaram-das-brumas-de-avalon-vão-ler-este A Tenda Vermelha: TERAFIM. Ainda não tenho, o meu tá mais para unifim sendo que o anão assume as entidades todas, mas sou claramente uma terafínica.

Naná, o anjo não dorme, quem dorme é a pulga. O anjo é uma governanta suíça à espera de me pôr no meu lugar.

Naná disse...

Ahahahahah... bolas, governanta suíça é assustador!

Ana. disse...

Também tenho um desses! E que jeito me tem dado, que a minha pulga também teima em adormecer!!