quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

A minha caderneta de cromos parte 2

Vocês tinham os Mr. Darcy e outros da BBC, nós tinhamos Dona Beija.


Ao contrário das novelas da Globo, as da Manchete não tinham medo de ser mais arrojadas, mais apelativas - mais sexuais, portanto. Ainda não tinha maminhas e já sonhava em tomar banho de lama, por qualquer motivo que fosse, nas nascentes de Araxá.
Todas as meninas do colégio viam dona Beija. Todo mundo dominava a trama, todo mundo queria ser Beija ou Antônio. Quando Beija amaldiçoou todos os homens que tocassem nela, também amaldiçoámos. Quando Beija se tornou prostituta, também considerámos a carreira. Odiávamos a família do Antônio.

Hoje, ao revisitar a novela no tubi, odeio o próprio Antônio pelo mesmo motivo que odeio Romeu.

4 comentários:

Ana. disse...

Tu odeias o Romeu?! Por ser parolo, é?!

Melissinha disse...

Não, por não ter tomates! Todas as decisões que exigem tomates são tomadas por Julieta. É um destomatado e drama queen.
Aliás, a última frase (ou uma das) da peça é algo tipo "o triste fim de Julieta e o seu Romeu", e não o contrário.

Ana C. disse...

Eu acho que a Dona Beija passou cá...
E sim, o Romeu era um bocadinho apaneleirado.

Melissinha disse...

O que Shakespeare quis dizer com Romeu e Julieta foi: homens são borboletas instáveis, mulheres são kamikases maravilhosas.