quarta-feira, 30 de maio de 2012

Desabafo meio desconexo em poucos minutos

Se há frase que devia ser eliminada da língua, para mim, é "Deus dá o frio conforme o cobertor". Porque duvido que seja Deus quem dê o frio, em primeiro lugar, e porque não acho que haja pessoas com mais cobertor do que outras - isso para não entrarmos no merecimento, que ninguém veio ao mundo para ser forte, viemos ao mundo para sermos felizes.  Acho que todos nós temos a capacidade de nos erguer à altura dos acontecimentos, se é o que a vida nos exige. Detesto ouvir (e ler) coisas como "admiro a tua coragem, eu não seria capaz do mesmo". Seriam capazes, sim, claro que seriam, simplesmente não tiveram de o ser, que é bastante diferente. Eu também não me imagino em certas situações, porque nós temos essas defesas. Só temos de engrossar o cobertor quando chega o frio, nem um minuto antes.

Digo isto com algumas pessoas em mente. Comecei a escrever este post pensando numa amiga de infância que tem uma filha da idade do meu com um linfoma e, entre tratamentos difíceis, é mãe de outras duas meninas, esposa, enfermeira, mestranda. E o FB dela é cheio de fotos felizes e divertidas. O mundo não acabou MESMO. Nem sequer parou. Ela incorporou o frio na sua vida.  Bem como a minha querida Silvina, a lutar contra um carcinoma neste momento e que, vejam só, viaja, anda de bicicleta, analisa dreads e curtas-metragens românticas, namorisca com o radiologista.

O cobertor delas é igualzinho ao meu e ao vosso.

Todo mundo faz o que pode, o tempo todo. Todos nós trabalhamos no nosso melhor. Todos nós somos capazes de atos heróicos.  Todos nós sobrevivemos.

14 comentários:

Naná disse...

Não podia estar mais de acordo contigo!
Todos nós sobrevivemos!
Só diria que há uns que aprendem a sobreviver melhor do que outros...
E a postura perante o "frio" que cada um adopta é fundamental para determinar essa sobrevivência.

Ana C. disse...

Só nos conhecemos realmente, quando confrontados com o frio.
O frio faz-nos olhar para dentro e para fora, de formas que desconheciamos existirem.

gralha disse...

Tanta verdade e tanta sabedoria neste post. És oficialmente a minha guru.

Ana C. disse...

Deus devia era dar o cobertor conforme o frio.

Melissinha disse...

Tenho uma tia que tem uma versão melhorada da frase do cobertor, e esta sim, carrego comigo.

No auge da fase de exames da mamãe, aquela fase de incertezas e medos em que juramos que não aguentamos mais um minuto daquilo, ela disse-me, de dedo em riste, para não ter medo: não nos acontece nada com o qual não possamos lidar.

(Podem achar que é a mesma coisa, mas tirando o "conforme o cobertor", para mim, tira a noção do "escolhido para sofrer" e põe Deus no seu lugar certo).

Dá-me paz, raça da frase.

Silvina disse...

Guru Melissa,
Concordo em absoluto. Depois aquela noção do "toma lá um cancro, agora aguenta porque és forte! Vá, todos sabemos que és capaz!" também me irrita solenemente. Eu não nasci capaz de enfrentar isto. Eu tive que aprender, esforcei-me para aprender, passei por uma depressão, levantei-me, e ainda hoje aprendo. Se no inicio fiquei revoltada com o frio, de costas para o mundo, agora acolho-o em mim e abro-me ao mundo. é isto. Se Deus está metido ao barulho ou não, não sei.
:)

Melissinha disse...

Eu acho que Deus não está metido ao barulho, (pelo menos na minha noção muito vaga de) Deus não é assim tão interventivo e muito menos cruel e arbitrário. De qualquer forma, Deus também não interessa aqui, o que interessa é a humanidade, e a luta, a aprendizagem e a sobrevivência são humanas - e lindas, mais lindas ainda por o serem, Silvine!

(digo sempre Silvine com um leve tom de governanta alemã a falar francês, para o estilo).

Silvina disse...

Silvine é tão mais chique e rebuscado! Gosto!

Té F. disse...

Fui criada, educada (não vivia lá), num colégio católico de freiras e aprendi que Deus é o bem, depois há outras energias (digamos assim)do mal...
Agora quando o frio chega é que nos conhecemos realmente, até lá são só teorias.
Bj

gralha disse...

Já agora: eu que acredito em Deus acho que ele não anda para aí a distribuir frios nem cobertores. Ele promete-nos é que, se confiarmos n'Ele, nunca ficamos sozinhos ao frio.

Adorei mesmo a ideia de que não nascemos para sermos fortes mas para sermos felizes. É tão óbvio!

Pekala disse...

uma amiga minha,crente,usa outra expressão que também acho perfeita:
"pôr-se à altura de",faz todo o sentido,as coisas acontecem e tu pões-te à altura dos acontecimentos.e lidas com eles.
post perfeito Mel.

Ginguba disse...

Acho que já uma vez comentei, acerca deste mesmo assunto, que sou pessoa para dizer que se fosse eu não aguentava. Digo isso, sim. Mas quando o faço é porque tenho noção que não sou uma pessoa corajosa e admiro MUITO as pessoas de coragem! Quando o digo é porque sei que sou dada à depressão quando as coisas me correm mal e não precisam de ser muito graves para eu fazer logo um drama! Portanto peço desculpa se alguma vez disse isso a alguém que está a passar por problemas. Percebo agora que pode ser irritante. E concordo que perante os problemas até sou capaz de os enfrentar, mas carrego sim os problemas na cara e tendo a isolar-me. Sobreviver, sobrevivo, todos sobrevivemos, mas aquelas pessoas que sobrevivem e são capazes de se abrir ao mundo são muito melhores do que eu e eu gosto de lhes dizer isso!

Melissinha disse...

Gingubinha :)

c disse...

"Crescemos com as nossas tarefas" - tradução livre de um ditado alemão. Tão verdade!