sexta-feira, 18 de maio de 2012

Quanto mais agressivas se tornam as campanhas publicitárias, seja em forma de "se lhe dá jeito, o supermercado faz" ou "mãe, guardaste as minhas células?", mais acordo para a necessidade de um consumo mais ético aqui em casa. E é uma repulsa natural, como a dos vegetarianos que têm mesmo nojo de carne (ao contrário dos que não comem carne porque acham que não devem comer, mas que é um sacrifício descomunal: tenho desses vegetarianos por perto, não se lhes pode chegar o cheiro de picanha às ventas :)).

Baby steps. Baby steps. Primeiro a carne e horti-frutis. Depois, logo se vê.

Mas algo parece irreversível: o meu gosto por chafurdar prateleiras de grandes superfícies em busca de novidades, promoções e coisas assim desapareceu. E ainda bem, não se perde mesmo nadinha.

2 comentários:

Ana C. disse...

Estou há quase dois meses sem tocar em carne vermelha e não me tem custado nada...

Melissinha disse...

Estamos a evoluir, Casaca! Mas eu não passo sem um bife. Será é um bife mais ético.