terça-feira, 5 de junho de 2012

Presentes inesperados

Eu acredito, sim, que Deus fala com a gente o tempo todo. No meu caso, tenho um código muito próprio há muitos anos para falar com Deus (na verdade era para falar com a minha avó e, mais tarde, com a minha mãe. Ponho "Deus" para encurtar, porque é a mesma coisa). Como será a minha próxima tatuagem, falarei dele na altura.

Isto para dizer que adoro prendas :) Acho sempre que um presente-surpresa é Deus (avó, mãe) a sussurrar qualquer coisa a alguém no momento certo, e que a gentileza e generosidade dessa pessoa são o seu veículo perfeito.

Há uns dias tive um dia absolutamente de merda - o dia em que escrevi 17 posts sobre procrastinação. Arrastei-me depressiva até às seis da tarde, fui buscar o Gabriel à creche e fomos ao parque esperar pelo Hugo. Não tinha falado com ele o dia inteiro, pois prefiro evitar pessoas quando estou mal - tenho o blog, duh. Pois que o Hugo me chega com um dos presentes mais Melissa de toda a galáxia.  um livro para fazer várias listas de filmes durante toda a nossa vida, com ilustrações maravilhosas. Não concordo com quase nenhuma escolha do ilustrador, mas que o livro é giro, é. Eu estava TÃO na merda quando o livro chegou para me lembrar que sempre terei os filmes. Obrigada, Hugo. Obrigada, quem o inspirou.


Hoje foi o contrário: foi um dia de tomada de consciência. Pensei em muitas coisas boas que acontecem todos os dias por escolha nossa e senti-me orgulhosa delas. Estava mesmo feliz. E neste dia de felicidade, chega-me outra prenda da amiga mais bem sucedida que alguma vez já tive e quem disse que dias bons não merecem prémios? Merecem, sim. E soube-me pela vida, especialmente por uma característica que esta prenda (e já agora, a outra também) tem que eu simplesmente adoro: eu nunca a compraria para mim. Para a ter, teria de ser uma oferta. Sei que as pessoas costumam ter sentido prático e gostar de receber o que lhes faz falta, mas, nisso, eu sou justamente o contrário: adoro ser surpreendida com coisas que mostrem como as pessoas me vêem. É o meu tipo de presente. Obrigada, Irina, por me veres tão cor-de-rosa e feminina. E não precisava de ter chegado nos anos da dona Melânia, chegou no dia que tinha de chegar.

Tenho saudades de quando comprava prendas, também. Se calhar foi algo que o Facebook roubou, porque agora até as prendas (gifs, frases giras e tal) são virtuais. Vou tentar ver disso.

E sim, sei que ando muito cheia de Deus para aqui e Deus para acolá. Sim, é o que parece: neste processo de "reinvenção" que é o emagrecimento, estou a tentar resgatá-lo -  embora seja dificílimo. Sendo dificílimo,  deixo que me chegue como tem chegado, nos presentes, nos sinais, no meu filho, no meu marido, nas tomadas súbitas de consciência de que a felicidade mora aqui. Corny, but true. 

5 comentários:

Irina A. disse...

ahahahahaha
"amiga mais bem sucedida que alguma vez já tive"
aahahahhahah

vou ali rir mais e já volto.

ahahahahahaha

Melissinha disse...

Podes não ser rica, mas bem sucedida és, caneco!
E daí não sei se estás rica e refundes-te.

Irina A. disse...

Eu vejo-te uma gaja do caraças, além de pink, feminina e magra, claro.

Já que muitas vezes só conseguimos colar o nariz à montra, pelo menos às vezes sabe bem saber que o que está dentro da montra nos veio parar a casa :)

Pratico uma filosofia de vida simples há anos e anos: Sou duplamente feliz quando faço alguém feliz. Deus retribui-me sempre em dobro.

Naná disse...

Mesmo com os facebooks e o blog há coisa que nunca deixei de fazer... que é comprar prendas a alguém que gosto, porque vi algo que é "a cara dela" e mesmo sem ser nenhuma ocasião especial. essas prendas sabem tão melhor... e há prendas que não precisamos comprar... há uns meses atrás a minha melhor amiga de infância estava muito em baixo e eu por acaso encontrei uma carta que ela me escreveu quando tínhamos 16 anos, num momento difícil da minha vida (logo depois da morte da minha mãe)... então achei que era altura de lhe mandar a cópia e usei as suas próprias palavras para lhe dar ânimo, quase 17 anos depois!

Ok, Mel... do que me foste fazer lembrar... bem, isto tudo para dizer que essas prendas não têm preço, são tesouros!

Melissinha disse...

:) é maravilhoso!