quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Libertando-se

É bom saber que aquele interesse que passámos toda uma vida a reprimir afinal não é errado, afinal é partilhado por muita gente e não tem mal nenhum, é estético, bonito e bom quanto qualquer outra coisa.

Já tinha percebido (um bocadinho d)isto quando, há uns anos, depois de séculos a tentar olhar de lado cada vez que passava por um cemitério embora tudo que quisesse era olhar lá para dentro e mais para dentro ainda - a sentir-me uma coisinha macabra - o Hugo chega em casa com um livro lindíssimo para mim, como se dissesse: vês? Tudo bem, o Moita Flores também gosta e ele manda em Santarém, por isso, podes gostar também (já disse que amaria o meu marido mesmo se não o conhecesse? É o homem dos meus sonhos.)

E ontem deparo-me com isto (NÃO ABRIR SE FOREM SENSÍVEIS - OK, ISTO É QUASE DIZER "ABRAM LÁ" MAS DEPOIS NÃO DIGAM QUE NÃO AVISEI) e vejo milhares de outras pessoas que também adoram essas fotos, e estudam-nas, e falam sobre elas, e escrutinizam-nas e adoram-nas. Estive a chafurdar o tema até alta madrugada, o que, para quem me conhece, sabe que é coisa raríssima. E senti uma felicidade que não consigo descrever, ou melhor, consigo assim: há uns anos, vi num programa de TV qualquer uma anã duma aldeia no cu de Judas que julgava ser a única anã do mundo, até ir ao casting para, julgo, o Feiticeiro de Oz. Ao chegar lá, depara-se com centenas de outros anões e descobre que, afinal, não é a única no mundo.

Posso ser uma coisinha macabra, tá bem, mas estou acompanhada. E o Hugo entende. E até acha piada.

23 comentários:

Ana C. disse...

Eu sou pessoa de entrar em todos os cemitérios, quando viajo, sim. Sempre fui. Adoro fotos antigas e intrigantes, mas CARAÇAS, isto é demasiado, até para mim.
Estou arrepiada até aos ossos e não consigo parar de ver.

Melissinha disse...

hahahah xô daí, casaca! É tudo meu.

Melissinha disse...

É o mais fascinante das manias oitocentistas, para mim. Quando comecei a escrever o O, li bastante sobre o assunto, mas sempre sobre crianças e virgens. Isto é outro nível! E há malta que percebe MESMO do assunto.

Melissinha disse...

Vou pagar a membership para acompanhar melhor, mas a página do facebook tem discussões fascinantes.

Naná disse...

Este é um fascínio que me faz alguma confusão... mas isto sou eu que não gosto da morte e de quando ela se aproxima...

gralha disse...

Oh pá, não.

Melissinha disse...

Como disse um senhor muito culto cujo nome não me recordo, "a morte veio substituir o sexo como tabu".

Mafalda disse...

eu confesso que também tenho uma curiosidade mórbida por cemitérios e afins, sempre que vou a um, gosto de andar a espreitar campas e jazigos antigos, as datas, olhar as fotos antigas e por aí fora, mas confesso que ver fotografias de gente morta, me deixa a modos que com um sentimento misto e ao fim de uns quantos - ao espreitar este site - tive de parar. As fotos com crianças, praticamente da idade da minha filha, deixam-me arrepiada até aos ossos e, tal como a Ana C. diz, "isto é demais para mim". No entanto, já conhecia a prática e se não estou em erro há um filme (acho que é "Os Outros", em que entra a Nicole Kidman, se a memória não me falha), que tem uma cena sobre isto, com a descoberta de um álbum de fotografias de gente morta. Até então, vivia na completa ingenuidade de pensar que este tipo de coisas não acontecia e desconhecia o culto.
E apesar do fascínio que o entendo, porque gosto destas coisas oitocentistas e obscuras, ao fim de umas quantas fotos, tive de fechar, até fiquei com os pêlos eriçados. :-P

Ana C. disse...

O filme Os Outros É O MELHOR FILME DE SEMPRE.

Melissinha disse...

Sim, é bem pesadote - com a contextualização fica muito melhor.

Nas minhas deambulações pela net ontem, encontrei um documentário sobre isso e outras coisas do género. Não vi ainda (não há pirata e temos de comprar o download), mas está lá a génese da ideia para o documentário: um tipo que, indo pesquisar para outra coisa qualquer, encontrou o livro "Sleeping Beauty" - o documentarista ficou hipnotizado, absolutamente hipnotizado, e na mesma tarde falou com o autor do livro.
É o que essas fotos fazem comigo, hipnotizam-me pelo exotismo (e macabro, claro - eu sou uma coisinha macabra).

Acho que o Almenábar partilha o mesmo fascínio - acho que o que ele queria era fazer um filme sobre sleeping beauties, mas não havia de vender muito :) há ali uma foto que aparece no filme, acho eu, a da família inteira.

PS - outra coisa que descobri é que há filtros para câmara para reproduzir as post-mortem da era vitoriana.

Meu Deus, AMO a era vitoriana.

ouvirdizer disse...

Não, não é coisa que me fascine, embora nos meus idos 17 anos tenha trabalhado um verão na junta de freguesia e fomos pintar 3 cemitérios sendo que levávamos a bucha e almoçávamos nas casas mortuárias. Ainda tenho pesadelos, foi há quase 20 anos... ahahahahah
Precisava do dinheiro, pronto!

Nota: o Moita Flores já zarpou de Santarém, consta que anda a fazer campan... marketing em Sintra.

Maffa disse...

Eu näo conhecia este meu lado, mas adorei ver as fotos.
Achei bonito... e sei lá de alguma forma trasmitem muita paz.
Detesto o tabú da morte que há na nossa sociedade. Acho que antigamente se lidava melhor com o assunto...

Melissinha disse...

Também acho bonito :) Já nem tento explicar, abraço o dark side e pronto.

Té F. disse...

"Os outros" um filme espectacular!
Na mesma linha e não menos espectacular "O sexto sentido" com Bruce Willis.

Full-time Mom disse...

Em pequenita costumava ir com a minha mãe e tias ao cemitério e gostava de passear por lá, espreitar para dentro dos jazigos, ver as campas, as fotos, as datas, fazer as contas e lembro-me de ficar muito intrigada de que teriam morrido quando era gente nova.
Estas fotos do link também são um pouco demais para mim, principalmente as de crianças, porque como mãe imagino-me logo no lugar daquelas mães a vestir/preparar os seus bebés mortos e é bastante angustiante. No entanto voltei a ter a mesma sensação de curiosidade de criança no cemitério.
A fotografia da família morta na cama (de que raio teriam morrido todos ao mesmo tempo?!) é a que aparece no filme The Others e se bem me lembro no filme diz-se que se tiravam essas fotos para imortalizar a pessoa, quando em vida não se haviam tirado nenhumas. :)

Melissinha disse...

É isso, Full-time.

A minha cena com cemitérios, por mais que eu diga que é estética, artística, arquitectónica, etc, na verdade é tanga para me sentir menos esquisita: eu gosto mesmo de espreitar para dentro da morte. Vem de longe, isto.

Sobre as crianças mortas, a coisa não era vista da mesma forma que é hoje: uma criança morrer era algo bastante mais natural, e a sua morte era glorificada, já que morrera sem pecado. Eu depois escrevo sobre isto, já que andam para aqui muitas outras alminhas macabras. :)

Jo e Mila disse...

E mais uma alminha macabra se junta ao grupo... ;-)
Yep, sempre "adorei" ir a cemitérios, em pequena ia "n" vezes com a minha avó, eu nunca andei em infantário, portanto sempre que havia funeral lá ia eu a reboque com ela! Talvez daí a minha naturalidade com a questão da morte. E lembro-me perfeitamente de ADORAR espreitar para dentro dos jazigos, e de saltitar em cima das campas.
Continua com o tema Mel!

Melissinha disse...

hahaha suas loucas, vou contar tudo às vossas mães.

Susie disse...

Para veres o nível da minha distancia do tema...não espreitei os links. Não sou capaz.

Não tenho uma relação nem fácil, nem natural com a morte.

Susie disse...

Para veres o nível da minha distancia do tema...não espreitei os links. Não sou capaz.

Não tenho uma relação nem fácil, nem natural com a morte.

Ana Varela disse...

Melissa e C., fiz há pouco tempo uma visita guiada (gratuita) ao Cemitério dos Prazeres. Já tinha feito uma no ano passado por altura do dia dos namorados, subordinada ao tema do amor, mas esta foi muito mais completa. Aconselho vivamente. É ir ao site da Câmara Municipal e marcar. O Sr. Licínio, que é quem faz a visita, é espectacular nas descrições que faz:D

Melissinha disse...

Ana Varela, ando doida para fazer a tal visita há anos. O problema é que só fazem de 2a a 6a. Já soube que a freguesia dos Prazeres anda com um ciclo de visitas até Outubro aos sábados, tenho de me informar.

Já fizemos um percurso nos Prazeres (maravilhoso!), mas com guia é melhor.

Ana Varela disse...

Nós também adiámos imenso por essa questão dos dias úteis, não por mim, mas pelo gajo, que eu, como tu, trabalho em casa (acho até que já trabalhámos para a mesma pessoa:P). Este ano, marcámos um dia das férias dele para isso:) E valeu bem a pena!