domingo, 28 de outubro de 2012

Várias domingueiras

 - Adoramos festivais de cinema, adoramos o clima, a sala gigantesca do São Jorge cheia de gente muito animada que aplaude falas, adoro ouvir os realizadores no final. É um clima espetacular para quem curte cinema além dos filmes. Ontem fomos ver Tropicália no Doclisboa. Eu adorei, é o filme das canções da minha infância. O Hugo gostou assim-assim, achou confuso. Tudo o resto foi muito bom.

- Ando a pedir muita luz ao meu anão da lareira. Tenho muitas coisas em movimento e preciso de ajuda para as priorizar. Preciso de ajuda para priorizar os meus sonhos, também. Tenho os sonhos pendurados, e isso não pode ser.

- Um conceito que sempre foi muito nebuloso para mim foi o de inveja enquanto força modificadora. Sempre achei ridículo o mulherio (especialmente) com os seus fáceis e defensivos "isso é inveja!". Mas tenho percebido que sim, a inveja existe, e não estamos a salvo nem de a sentir nem de ser alvo dela. Normal e humano como tudo que sentimos. Mas a inveja entre amigas é mais lixadinho. Cuidado com a inveja entre amigas, não a alimentem, porque inveja é um bicho que vem sempre ao de cima, o que leva à parte patética: a amiga invejada sabe. Amiga invejada: cuidado com o excesso de compreensão. Cliché, pois, mas já sofri com os dois e agora rimei.

- Quero muito ver a exposição do Hélio Oiticica no CCB (será que já acabou?), quero muito ver a exposição de cenografia brasileira no MUDE. Ia hoje, mas caramba, tá um solão lá fora. Raios partam. Mas vou ver o 007, ah, isso vou.

- Reparámos, esta semana, que andávamos a ver a Casa dos Segredos todos os dias para fazer tempo para a Bagarela (esperta, esperta TVI). Não pode ser. Uma coisa é deixar de ver séries porque me apetece ler, outra coisa é deixar de ver séries e ler para ver a Casa dos Segredos. Cabô. Ah, e eu disse "reparámos", mas quem reparou foi o Hugo. Aliás, quem nunca deixou de reparar. Nada contra para os outros, a sério, mas tudo contra para mim.

- É raro falar de livros aqui, mas ando a ler "A Culpa é das Estrelas" do John Green, recomendação e empréstimo (a louca) da minha Casaca, e ando a ter explosões de prazer. Que livro bom, bom, bom, bem escrito, boa literatura ágil. É difícil encontrar boa literatura ágil, normalmente ou é boa ou é ágil, e eu prefiro a ágil.

- Repito para mim: eu sou uma gaja com sonhos. Não posso esquecer-me disto. Ainda bem que tenho um marido como o meu, que me aponta alternativas quando está tudo meio escuro. Ainda bem que tenho um marido como o meu, ponto.

- Estar cheia de trabalho é algo que me dá prazer e faz subir a auto-estima - gosto de ter clientes a disputar o meu tempo. Dá-me também pouco tempo para pensar em pormenores. Daí este post cheio de pormenores no dia do Senhor. Um bom domingo para quem é de missa, de churrasco, de praia, de museu. Só tentem combater o sofá. Há tanta coisa a acontecer na cidade, caramba. Tanta coisa.

5 comentários:

Ginguba disse...

Oh pá, Melissa, como eu gosto de ti, caramba!
Nunca te esqueças que és uma gaja com sonhos, por favor.

Bom domingo para vocês.

Ana C. disse...

A Culpa é das Estrelas é um sonho :)

Naná disse...

Ter sonhos pendurados é que não!

Excelente pormenor, esse o da inveja. Tão certeiro!

Casa dos Segredos em vez de ver série e ler nãooooooo!

Melissinha disse...

Pois, pá, se eu tivesse tempo para tudo, via :) Mas não tenho e andava a escolher mal.
Doravante, acompanharei pelas revistas do coração na casa de banho ou na fila do Pingo Doce.

gralha disse...

Inveja não serve para absolutamente nada, xô de perto de nós!

Falando em empréstimos de livros, estou a acabar o último da minha fornada. Antes que me desgrace no TheBookRepository, quem é que tem a bondade de me emprestar um Zafon para eu me zafonizar?