domingo, 4 de março de 2012

Crónicas do encolhimento Parte III - A dieta

Não acredito em comportamentos de dieta. Está provado que apenas 5% das pessoas que perdem peso com dieta mantêm a perda após cinco anos, e há estudos que relacionam a epidemia de obesidade com a febre das dietas.

Dieta é, de facto, uma merda. Mas, tal e qual aquela citação de a democracia ser uma merda mas não haver nada melhor, ainda não inventaram outra forma de emagrecer. Para quem acha que dá para emagrecer só com exercício, numa aula de spin, que é basicamente a coisa com maior gasto calórico do mundo e derrota o mais são dos atletas, perde-se o equivalente a uma fatia de bolo de chocolate*. Por isso, é engolir o choro e seguir em frente.

A minha é diferente da que a minha nutricionista passou, porque ela não entendeu bem que eu MORRO de fome às cinco da tarde, não vale a pena ir lá com iogurtinho.

Então, num dia normal, é mais ou menos assim:

- 3 tostas e galão com adoçante.
- peça de fruta ou iogurte líquido magro.
- carne + legumes com pouco ou nenhum hidrato de carbono ou, estando na rua, sopa + meia sandes de fiambre.
- peça de fruta ou iogurte ou 2 Marias.
- lanche a sério não passado pela nutricionista: em casa: um iogurte magro + fruta picada (equivalente a uma peça, normalmente meia laranja e meia maçã) + três colheres de cereais (muesli não muito gostoso, porque quanto mais gostoso é, mais fácil é para mim aldrabar as colheradas, e não tento ser mais forte do que o meu dark side)
- jantar - igual ao almoço.
- copo de leite antes de dormir.

Pois é. Não tirei nenhum grupo alimentar da dieta, porque se não acredito em comportamento de dieta, acredito menos ainda em Atkins e afins. Como todos os grupos preparados da forma mais hipocalórica possível, o que quer dizer que, comendo todos os grupos (açúcar refinado inclusive), não como bolos, fritos, molhos gordurosos nem nada disso. E não como MESMO. Entendo que haja quem precise de um "dia de folga" na dieta, mas eu não encaro a dieta como algo de que precise de folga, mas sim, como algo bom e que me fortalece. As poucas vezes que enfiei o pé na jaca nestas seis semanas (sendo ontem uma delas) senti-me fraca e chateada. Não houve prazer envolvido, o foco do prazer mudou. Sei perfeitamente que este radicalismo não há de ser para sempre, mas está a servir-me lindamente por ora ( e se for para sempre, também será bom, só eliminei o que não preciso).

Sobre a fome: tenho, sim, fome. Muitas vezes, porque (ainda) sou mulher de muito alimentinho. Mas, como escrevi há uns meses, faço dela a minha aliada, uma voz que me diz o que o meu corpo quer. Fome não é enxaqueca, aguenta-se perfeitamente. Basta dizer para dentro da própria cabeça: daqui a bocado comes. Quando a fome deixa de ser o Papão e deixamos de ter medo dela, torna-se mais fácil emagrecer.

Duas coisas que se provaram extremamente eficazes foram: fazer uma tabela (em grelha, mesmo) para anotar tudo que vou comendo. Não fiz durante uma semana e tenho a certeza de que comi mais do que era suposto, por isso, já imprimi a grelha desta semana. É muito bom irmos vendo ali, no papel, como estamos a sair-nos. A outra é pesar a comida. Parece demais? Para mim, é um alívio, é menos uma coisa em que pensar. Na rua, só como sopa. Pronto. Radical? Sim, mas tem resultado, e resultado é o que quero, portanto quero lá saber se é radical ou não.

Sobre o resto da família: comem o que eu como, mas em porções reforçadas de tudo. Só lhes faz é bem. Como já disse, não tirei grupos da alimentação, apenas preparações. Aos fins de semana lá comem bolos e porcarias, para meu desespero, que estou mesmo ali ao lado.

Pronto, em termos alimentícios, tem sido assim. A maior dificuldade: como já disse, os fins de semana, mas acho que é para todo mundo.

E é assim. A próxima crónica será a parte mais importante de todas: a cabecinha.

* Há uma reportagem muito interessante sobre o fazer exercícios para emagrecer numa Time de há uns tempos, os interessados que procurem. Basicamente, o exercício físico, para o objetivo de emagrecimento, ajuda mais com as endorfinas que provoca do que pelo gasto calórico. Faz bem a milhares de outras coisas, atenção.

3 comentários:

Full-time Mom disse...

O segredo é comer muitas vezes, mas pouco de cada vez, assim nunca sentes aquela fome a sério. Eu comia apenas 3x por dia e foi quando comecei a comer 6-7x que perdi uns quilinhos chatos que ficaram da gravidez, desde agosto do ano passado já perdi 8kg. E como um bolito e um doce de vez em quando, não faz mal nenhum. Se te apetece deves comer, sem exagerar claro. Para mim a parte má de algumas dietas é não podermos comer coisas boas, e eu sem comer coisas boas fico infeliz! E andar infeliz por causa de uma dieta não é nada bom! A melhor altura do dia para fazer uma asneirita é o pequeno almoço, pois assim tens o resto do dia para gastar as calorias. ;) Boa continuação, vais ver que vais ter bons resultados! :)

manue disse...

parabénes, é duro, eu também sou de muito alimento e quando estou de dieta passo fome e só penso em comida. Também estou a pensar fazer uma tabela.

Melissinha disse...

Manue, só anotar tudo já é um recurso do caraças. Experimenta.